lt;!-- -->
domingo, 10 de janeiro de 2016

Pharol, Meo, suporte e o novo mínimo ...

A percepção de alguns investidores sobre a Pharol está longe da realidade: ainda acreditam que a empresa está de ligada à Meo. É verdade, não estou a brincar. Basta fazer uma pequena pesquisa sobre a empresa ( PHAROL,SGPS S.A.) para perceber o seu modelo de negócio.

A Pharol apresenta-se como sendo uma sociedade aberta que gere uma participação directa ou indirecta de 27.5% da Oi. Participação essa que os investidores portugueses acreditavam (ou fizeram-lhes acreditar) que iria trazer valor para a empresa (PT), já bastante pressionada pela sua prestação negativa em bolsa. O resultado foi notório e coube aos investidores portugueses pagar a factura do banquete, deixando os convidados levar na bagagem as melhores recordações, e fazer jus à fama de sermos um povo que sabe receber bem.

Hoje, como no passado, esta participação continua a não dar frutos para os investidores portugueses, a Oi continua a ser uma empresa com problemas e a necessitar de um investidor com vontade de injectar muito capital a curto prazo para fazer face as suas necessidades internas e poder atingir os seus objectivos.

Terá a OI capacidade para captar investimentos? E ser rápida a atingir as suas metas trazendo retorno aos investidores, neste momento de instabilidade que o Brasil está a mergulhar?

Por cá, a Pharol continua a não dar sinais favoráveis aos seus investidores continuando a marcar uma tendência descendente. Um título que deveria ser para institucionais, e cada vez menos para pequenos investidores, um modelo de negócio que não produz e se mostra muito dependente.
Ultimamente os pequenos investidores da praça portuguesa têm vindo a ser surpreendidos, e da pior maneira, pelos riscos existentes nos mercados financeiros, e raramente por si calculados.


Gráfico diário da Pharol


 Pharol tem suporte ou um novo mínimo?

Apesar deste título, no passado, ter reagido favoravelmente nos 0.235€ por acção em Dezembro e evitado o rompimento do seu anterior mínimo 0.229€ de Agosto de 2015, não considero que esta área seja o suporte da Pharol. Considero que seja uma questão de dias para a Pharol vir a realizar um novo mínimo histórico.

A tendência descendente da Pharol dos últimos dois meses tem sido muito clara para os investidores, e mesmo que venha a contrariar a sua dinâmica de mercado e reagir positivamente na área 0.24€, por se considerar numa possivel zona de suporte, será a meu ver sol de pouca dura.

Para considerar um cenário mais optimista neste titulo, teria que evitar a ida aos 0.235€ por acção e romper com uma boa dinâmica os 0.309€ por acção (algo que terá pouca probabilidade de acontecer face à minha leitura do mercado).

O que fazer em tempos mais difíceis?

Se é um investidor que investe maioritariamente na praça portuguesa, e neste momento em que o mercado está complexo, o melhor é esperar que o mercado grite bem alto as oportunidades para pensar em abrir uma posição,e utilizar a menor percentagem de risco em cada posição.

Permitirá conservar capital, ganhar tempo para as verdadeiras oportunidades que irão surgir no mercado, e reduzir a pressão psicológica por eventuais perdas. Sem capital nos mercados financeiros não se faz nada.

Bons investimentos!
Sem comentários:
Enviar um comentário