lt;!-- -->
sexta-feira, 2 de outubro de 2015

O SPA anda aí, não te deixes apanhar

“Vivemos numa sociedade urgente, rápida e ansiosa. Nunca as pessoas tiveram uma mente tão agitada e stressada. Paciência e tolerância para as contrariedades estão a tornar-se artigos de luxo. Quando o computador demora a iniciar, são poucas as pessoas que não se irritam. E quando não estão a dedicar-se a actividades interessantes, elas facilmente se angustiam. Raros são os que contemplam as flores nos jardins ou se sentam para conversar nas suas varandas ou à janela. Estamos na era da indústria do entretenimento e, paradoxalmente, na era do tédio.” (Dr. Augusto Cury)

pensamento acelerado
Dificilmente encontraríamos melhor descrição para a actual vida do Ser Humano. Todos, sem excepção, estamos diariamente expostos a este stress, a esta ansiedade de viver rápido. Não paramos para nada porque não podemos perder tempo. E qualidade de vida, podemos perder?! E onde nos leva este frenesim? Muitas vezes ao vazio e à insatisfação, ao desejo de ter o que não se tem, querer estar onde não se está, descurando e desvalorizando o que nos rodeia, sejam coisas, lugares ou mesmo pessoas. Este é o novo estilo de vida adoptado por inúmeras pessoas em todo o mundo, e às vezes, sem sequer se darem conta disso, de tão absorvidas que andam pelos seus pensamentos e angústias. E como qualquer outro vicio torna-as dependentes. Dependentes de tudo o que mantém o seu ritmo de vida acelerado. E as ideias não páram. Nós não paramos e o nosso pensamento também não. Aparentemente até parece boa esta capacidade de em pouco tempo responder a todas as situações (im)previstas, quer na vida pessoal quer na vida profissional, mas a longo prazo não se pode dizer o mesmo. O Dr. Augusto Cury chama-lhe SPA – Síndrome do Pensamento Acelerado – considera-o uma doença que precisa de ser tratada e alerta para a necessidade urgente de cada indivíduo desacelerar o seu próprio pensamento em prol da sua saúde emocional, do prazer de viver e da criatividade.

Mente aceleradaA impaciência referida anteriormente é comum no trading e se não for controlada põe em risco o trabalho realizado e choca com o rigor exigido, ou pelo menos desejado e referenciado como fulcral.

É certo que é o mercado financeiro quem manda, é ele quem gere a vida e humor de todos quantos dele vivem. Quanto mais irregular mais agitadas ficam as pessoas que acompanham todas as suas movimentações. Por sua vez, essa agitação gera irritabilidade, que gera impaciência, que na maioria das vezes não se descola e persegue o indivíduo para onde quer que vá. E fá-lo de forma indiscreta, denunciando a sua presença através das suas atitudes e do seu relacionamento com os outros. Pode entrar num ciclo vicioso que será cada vez mais difícil de travar. Quando essas pessoas são alertadas para as evidentes alterações comportamentais e de humor, a sua primeira reacção é a negação. Normal. E até admitirem o seu estado, o caminho vislumbra-se longo e mais ou menos penoso, não só para si próprio como também para terceiros, sobretudo os mais próximos.

O trading exige rapidez de raciocínio, sim, mas sem precipitação. Exige energia, sim, mas também calma. Exige instinto, sim, mas também ponderação. Não te deixes apanhar.
Sem comentários:
Enviar um comentário